10 Coisas Que Você Nunca Deve Fazer ao Cultivar Tomates em Vasos

Você está visualizando atualmente 10 Coisas Que Você Nunca Deve Fazer ao Cultivar Tomates em Vasos

Erros Comuns ao Cultivar Tomates em Recipientes

Você não precisa de um jardim enorme para colher uma abundância de tomates. Variedades compactas de arbustos (determinadas) são perfeitas para cultivar em recipientes, vasos ou sacolas de cultivo. O dimensionamento adequado, o solo, a drenagem e a manutenção são cruciais para manter essas plantas pequenas e produtivas.

No entanto, existem algumas coisas que você nunca deve fazer ao cultivar tomates em recipientes. Se você evitar esses dez erros de jardinagem em recipientes, economizará muitas dores de cabeça e desfrutará de colheitas épicas de tomate.

Quais são os Maiores Erros ao Cultivar Tomates em Recipientes?

Os tomates prosperam em solo bem drenado com níveis de umidade consistentes.

A rega inadequada é um dos maiores erros que os iniciantes cometem ao cultivar tomates em recipientes. As plantas em vasos precisam de mais água do que seus equivalentes. Menos volume de solo no recipiente significa que o solo seca mais rapidamente. No entanto, o espaço menor também significa que é fácil regar em excesso, causando condições anaeróbias encharcadas que podem levar à podridão das raízes.

Um equilíbrio entre drenagem e consistência é crucial. Cultive seus tomates em recipientes grandes com furos de drenagem e solo de qualidade rico em composto. Verifique o nível de umidade a cada dois dias em clima quente e procure manter o solo com a umidade de uma esponja torcida.

Outros erros comuns com tomates cultivados em recipientes incluem:

– Plantar em um vaso pequeno
– Esquecer de podar
– Falhar em estacar ou treliçar
– Escolher as variedades erradas
– Adubar em excesso com nitrogênio
– Superlotar várias plantas em um único recipiente

10 Coisas para Evitar com Tomates em Recipientes

Cultivar tomates em recipientes é muito simples. Assim como no cultivo em canteiros elevados ou no solo, suas plantas precisarão de luz solar total, solo bem drenado, adubação equilibrada e umidade consistente. O espaçamento adequado, o tamanho do recipiente, a poda e a treliça também são cruciais para o sucesso.

Os tomates podem crescer bastante e produzir em abundância, mas devem ter as condições adequadas para prosperar. Evite esses erros comuns para obter colheitas épicas de tomate em um recipiente:

Tamanho Insuficiente do Recipiente

Use vasos grandes ou sacolas de cultivo de tecido para um crescimento ideal.

Tomates em vasos bem-sucedidos requerem um recipiente do tamanho certo. Os tomates podem crescer raízes com dois pés de profundidade e largura ou mais! Um vaso pequeno não fornecerá espaço suficiente para essas plantas prosperarem. Além disso, um vaso pequeno pode tombar com o peso de uma planta com muitos frutos.

Cultive suas plantas de tomate em vasos de pelo menos 10 galões, idealmente 15-20 galões. Isso se traduz em um vaso com diâmetro de 18-24 polegadas. Quando em dúvida, escolha o maior vaso possível. Os vasos de tecido são uma ótima maneira de maximizar o espaço e o volume de solo, minimizando o peso. Experimente uma sacola de cultivo de 15 galões ou maior, ou opte por um canteiro elevado pequeno para cultivar vários tomates em um só lugar.

Problemas com Vasos Pequenos

Evite o enraizamento em plantas em vasos usando recipientes grandes e porosos.

Um vaso pequeno também carece de volume de solo suficiente para reter água durante os meses mais quentes. Os tomates requerem muita umidade e são muito propensos a secar enquanto crescem em recipientes. Se você plantá-los em um recipiente pequeno, o solo pode secar rapidamente e as raízes podem começar a se enrolar em círculos.

O enraizamento é um problema comum em plantas em vasos que leva ao nanismo e à produção de frutos de baixa qualidade. As plantas que crescem em vasos de plástico pequenos são as mais propensas ao enraizamento. Evite o enraizamento em vasos grandes, porosos e de barro que naturalmente “podam” as raízes. Quando as raízes atingem o oxigênio acima do solo, elas param naturalmente de crescer.

Excesso de Nitrogênio

Adubos orgânicos dependem de microrganismos do solo para disponibilidade lenta de nutrientes.

Sabemos que as plantas de tomate são grandes consumidoras de nutrientes, mas pode haver excesso de algo bom. O excesso de nitrogênio é um erro comum. Quantidades excessivas de nitrogênio fazem com que as plantas de tomate produzam um grande volume de crescimento foliar. Esse foco no crescimento foliar desvia a produção de frutos. À medida que a planta direciona sua energia para muitas folhas e caules, ela pode falhar em produzir flores ou frutos.

A maneira mais fácil de evitar esse erro é usar um adubo equilibrado de liberação lenta. Adubo equilibrado significa que as proporções de NPK estão próximas. Por exemplo, 4-4-4 ou 3-4-6. Este último é particularmente vantajoso porque tem maiores quantidades de potássio e menores quantidades de nitrogênio. Os tomates ainda precisam de nitrogênio, mas não devem ser superalimentados com ele.

A liberação lenta significa que o adubo alimenta gradualmente a planta ao longo do tempo. Adubos orgânicos são sempre de liberação lenta porque requerem microrganismos benéficos do solo para mineralizar os ingredientes. À medida que os ingredientes orgânicos são transformados pelos microrganismos, eles se tornam disponíveis para as plantas. O resultado é uma fertilidade duradoura que se torna lentamente disponível para as raízes de tomate ao longo da temporada.

Avoid Synthetic Fertilizers

A superalimentação com produtos sintéticos prejudica o solo e os recursos hídricos.

É melhor evitar adubos sintéticos de liberação rápida, pois esses produtos representam o maior risco de superalimentação. Os nitratos de liberação rápida adicionam uma mega dose de nitrogênio ao solo de uma só vez. Esses ingredientes sintéticos contornam o “sistema digestivo” microbiano do solo. Em vez disso, eles direcionam uma grande quantidade de nutrientes para as raízes.

Os jardineiros domésticos são particularmente propensos a superalimentar com produtos sintéticos. Um excesso de nitratos também pode ter efeitos prejudiciais nos recursos hídricos, na qualidade do solo e nas infestações de pragas. Como as plantas recebem um pico de adubo de uma só vez, elas requerem aplicações repetidas que podem desequilibrar o perfil mineral do solo e reduzir o rendimento geral.

Excesso de Água

A rega excessiva pode sufocar as plantas de tomate em vasos.

A irrigação adequada é essencial para todos os tomates, mas especialmente para aqueles cultivados em recipientes. Água em excesso pode prejudicar rapidamente a saúde das plantas em vasos porque a água não tem para onde ir. Como resultado, ela se acumula no fundo do vaso, criando condições favoráveis para a podridão das raízes, uma doença importante dos tomates e muitas outras plantas. Ela é causada por um patógeno fúngico que adora condições encharcadas e com baixo teor de oxigênio.

Os tomates em vasos realmente não gostam de “pés molhados”. Se você imaginar ficar em uma poça o verão inteiro, é assim que uma planta de recipiente regada em excesso se sente. As raízes da planta não conseguem respirar ou funcionar adequadamente em condições encharcadas.

Sintomas comuns de irrigação excessiva incluem:

– Água parada na base
– Odor podre e fétido do solo
– Folhas amarelas e com bolhas
– Folhas moles e macias
– Uma crosta visível na superfície do solo ou no caule inferior do tomate
– Folhagem caída e murcha (apesar do solo úmido)
– Raízes moles, murchas e pretas (raízes saudáveis são esbranquiçadas)
– Frutos rachados

Como Evitar a Rega Excessiva

Verifique regularmente as plantas em vasos quanto à umidade do solo usando o dedo.

Primeiro, certifique-se de que o recipiente tenha drenagem adequada. Um grande furo de drenagem na parte inferior é ideal. Materiais porosos como terracota e vasos de tecido também são úteis para absorver a umidade. Os pequenos furos nas laterais desses vasos permitem que o ar alcance a zona das raízes, o que pode prevenir condições anaeróbias que levam à podridão das raízes.

Em seguida, priorize a verificação regular de suas plantas em vasos. Um cronograma de rega (ou seja, “regar a cada dois dias”) não é ideal para tomates cultivados em recipientes. O clima e as condições estão sempre mudando, então você não pode garantir que a planta precise de água a cada dois dias. Em vez disso, use o dedo para verificar a umidade do solo. Transforme isso em um hábito toda vez que passar por suas plantas.

Aqui está como avaliar manualmente a umidade do solo:

– Se você enfiar o dedo várias polegadas para baixo e o solo parecer com massa de bolo, está muito úmido.
– Se parecer com uma esponja torcida, a umidade está perfeita e você não precisa regar.
– Se parecer empoeirado ou se o solo grudar muito pouco na sua pele, a planta precisa de água imediatamente.

Por fim, verifique a drenagem do seu solo. As plantas em recipientes tendem a precisar de solo ainda mais bem drenado do que um canteiro elevado ou um canteiro no solo. Isso ocorre porque o solo está confinado a um espaço menor. A água deve fluir facilmente através do perfil do solo. Se você derramar água no topo do solo, ela não deve formar poças. Poças e drenagem lenta são sinais de que a planta precisa ser replantada em uma mistura melhor.

Dê prioridade a misturas de solo em recipientes com:

– Composto de qualidade
– Turfa
– Vermiculita
– Perlita
– Areia hortícola

Ao plantar tomates em recipientes, evite adicionar solo de jardim rico em argila. Se a planta estiver lutando com o excesso de umidade, você sempre pode replantá-la. Os tomates são muito receptivos ao transplante, desde que você seja gentil e minucioso. Use o processo de transplante como uma oportunidade para verificar as raízes em busca de sinais de podridão. Pode podar quaisquer raízes marrons, pretas ou moles e higienizar suas ferramentas regularmente.

Melhor Sistema de Irrigação em Recipientes

As raízes de tomate regulam a absorção de água com base na tensão da umidade do solo.

Uma olla (pronuncia-se “oya”) é a melhor maneira de irrigar tomates em vasos. Este antigo sistema de irrigação de vaso de barro é ideal para jardineiros que tendem a regar em excesso. Uma olla é um vaso de barro poroso enterrado no solo do vaso perto das raízes da planta. A olla é preenchida com água por cima e libera naturalmente umidade no solo conforme necessário.

Graças a um intrigante fenômeno científico chamado tensão da umidade do solo, as raízes do tomate retiram apenas a quantidade de umidade de que precisam. Uma vez que o solo está saturado, a olla para de liberar água por meio de suas paredes porosas de barro. Tudo o que você precisa fazer é enterrar a olla na profundidade certa e verificar regularmente se ela está cheia.

Falta de Água

Plantas frutíferas exigem mais água para produção contínua de tomates.

A falta de água pode ser tão problemática quanto o excesso de água. Se o solo estiver se afastando da borda do seu vaso, é provável que esteja muito seco. Os tomates são culturas muito sedentas, e as plantas cultivadas em recipientes são particularmente vulneráveis ao estresse hídrico. Você pode precisar regar sua planta em vaso todos os dias, a cada dois dias ou a cada três dias, dependendo do tamanho do recipiente e do clima.

A zona radicular de uma planta em recipiente é limitada pelo volume de solo. Não há como as raízes alcançarem mais profundamente no solo, portanto, você deve garantir que tenham tudo de que precisam em um espaço menor. Vasos maiores podem passar mais tempo sem água. No entanto, plantas carregadas de frutos naturalmente precisam de mais água para continuar produzindo tomates.

Sintomas-chave de falta de água incluem:

– Solo se afastando da borda do recipiente. Este é geralmente o primeiro sinal.
– Murcha
– Folhas secas e crocantes
– Folhas enroladas
– Foliagem amarela ou marrom
– Crescimento lento e atrofiado
– Falta de flores e frutos
– Flores ou frutos murchos

A falta de água é prejudicial para as colheitas de tomate e pode reduzir drasticamente o rendimento, o sabor e a textura de seus frutos. Afinal, um tomate é cerca de 95% de água. Variedades de frutos grandes, como beefsteaks, são particularmente necessitadas de umidade consistente.

Mas ainda há algo pior do que o estresse hídrico: grandes flutuações de seco para úmido. Se você passar de uma sub-irrigação drástica para uma super-irrigação dramática, seus tomates serão muito saudáveis. A flutuação de solo extremamente seco para encharcado é uma das principais causas de podridão na extremidade da flor, rachaduras nos frutos e problemas de doenças.

Rega Superficial vs. Rega Profunda

A rega superficial excessiva é o principal erro que leva ao estresse hídrico. A irrigação frequente e superficial significa dar à planta pequenas quantidades de água quase todos os dias. Isso não é benéfico para a saúde das raízes ou para a produção de frutos.

A rega superficial penetra apenas nas poucas polegadas superiores do solo. A parte inferior do recipiente (onde a maioria das raízes está) permanece seca e desidratada. Essa umidade inconsistente pode levar a problemas graves, como baixa produção de frutos e podridão na extremidade da flor.

Por outro lado, a rega profunda é ideal para tomates. Essa prática ajuda a manter a umidade consistente para que haja sempre água disponível nas partes inferiores do vaso, mesmo que as polegadas superiores do solo sequem em um dia quente. Lembre-se, o solo mais profundo é isolado contra extremos climáticos devido à sua massa térmica e proteção do sol. As partes inferiores do recipiente funcionam como um reservatório de água de backup.

Seja cultivando em recipientes ou canteiros, essas plantas preferem grandes quantidades de água de uma vez. Isso significa que você deve irrigar com menos frequência, mas deixar a irrigação fluir até a água sair do furo de drenagem inferior. Se não houver um furo de drenagem